Posted on: 6 de janeiro de 2021 Posted by: arkx Brasil Comments: 0

Esse é um momento para a gente ficar juntos. Apesar da distância, a gente tem que tá Pertim.
O planeta é um organismo vivo. A vida é o modo de funcionamento do planeta. Todos os seres que estão aqui participam deste processo.
É nosso dever sobreviver.


Nosso objetivo é alimentar todas as pessoas que precisam neste momento de pandemia. Desde o primeiro momento os cenários já previam milhares de mortos, com um longo período entrando e saindo em quarentena. Precisávamos estar avançados em relação a esta crise, com um sistema eficiente de distribuição de alimentos.

A Pertim se formou com pessoas que nem se conheciam, em tempo recorde já levávamos alimentos para a cidade. É uma experiência incrível. Remunerando o produtor, remunerando a logística, fazendo a economia girar e fornecendo comida para quem necessita.

Precisamos criar redes descentralizadas. Tudo começa com a ação. Comece. Faça o primeiro movimento.

Trabalhe junto com os pequenos produtores. Nas comunidades a serem atendidas articule com as lideranças locais, para identificar as famílias em situação de vulnerabilidade.

Um modelo eficiente é preparar cestas para serem vendidas a quem pode pagar, e com isto financiar cestas gratuitas para quem não pode.

Para garantir a segurança sanitária, trabalhamos com o seguinte  modelo:

– levamos os alimentos diretamente até a liderança comunitária;

– a liderança comunitária se encarrega da higienização e montagem da cesta e distribui porta a porta, para evitar ao máximo a circulação e aglomeração de pessoas.

– também montamos as cestas já higienizadas e lacradas, levando para o articulador na comunidade, que se encarrega de distribuir diretamente à cada atendido.

Precisamos conhecer estas experiências, com seus erros e acertos,  para gerar inteligência, e assim passar para à frente. São nestes momentos de exceção que podemos construir coisas para o pior, ou para o melhor.

Podemos criar uma rede de distribuição de alimentação saudável, conectando diretamente produtor e consumidor, além de também atender os mais vulneráveis.

As comunidades que atendemos precisam se tornar autossuficientes, não precisando mais receber nossas cestas de alimentos.

A Pertim precisa acabar, dando lugar a autonomia daquele território sobre a sua segurança alimentar.

vídeo: Um Lugar Mais Fértil: Comunidade Feminista Menino Chorão


Não espere por justiça. Não há justiça neste planeta. Somente trabalho.
Trabalho, trabalho e trabalho. Trabalho, trabalho e trabalho. Trabalho, trabalho e trabalho.
Trabalho é o que nos dá contorno como ser humano. É uma busca espiritual para imprimir nossa alma no mundo.

A terra não nos pertence, nós pertencemos à terra.


vídeo: O corona vírus não é um equalizador

Você tem noção do que a outra classe social está passando para se manter dentro de casa durante a quarentena?

O coronavírus não é um equalizador. Quando o quesito é alimentação, ele não está equalizando nada. Tem parcelas da população que estão muito mais vulneráveis do que outras. Vamos deixar uma parcela da população morrer?

Inicie seu próprio grupo. Seja dentro da rede da Pertim, seja independente. Se você não puder fazer isto neste momento, participe com doações. Mas precisamos endereçar esta questão: Como alimentar o Brasil já?

E essa resposta, assim como tudo na natureza, ela não vai ser construída. Uma flor não é construída. Ela cresce, ela emerge. Essa rede vai crescer. Vamos começar atuando. Através da ação a gente provoca a emergência e o crescimento de uma rede.

E o objetivo final de uma rede de distribuição de alimentos, é que cada território, cada população, seja autônoma.

vídeo: Ecoz de um Mundo Novo

O Ecoz (@ecoz_cs) é um grupo de Osasco (SP) que atende as mães solo em situação de vulnerabilidade. E tem a intenção de toda a comida distribuída nas cestas pelo grupo ser produzida no ambiente urbano.

A cada duas cestas vendidas fazem a doação de uma.

vídeo: Seja um Patrono da Pertim

Por causa da emergência do momento, começamos o nosso trabalho de uma forma assistencialista. A gente levou comida emergencial para comunidades que foram seriamente afetadas pela COVID-19.

E não foi qualquer comida. Não é ração! Levamos a melhor comida deste planeta! É comida de pequenos agricultores orgânicos, regenerativos, que estão deixando um rastro de vida.

Mas a gente começou já queríamos deixar o assistencialismo de lado. Já estamos plantado na Comunidade Feminista Menino Chorão, na periferia de Campinas. Trazendo autonomia para este lugar e resiliência para as próximas crises.

As mulheres lá estão aprendendo a fazer uma agrofloresta. Talvez a primeira numa periferia no Brasil.

Queremos também trabalhar com outras formas de abundância que não estão só na comida. Elas estão na arte, na música, na cultura, na espiritualidade.

E assim criar relações de abundância entre as pessoas!


Contatos:

Pertim.org
@pertim_org
Facebook.com/Pertim.org
https://www.youtube.com/channel/UCqFSFhOyXxPMeY4aSQrTa1Q

Pertim

Texto editado com trechos das falas de Rafael Duckur e Bianca, integrantes do grupo.


sobre os Diários da Pandemia:

  • Embora seja tb um trabalho jornalístico, se propõe a muito além disto.
  • Tem como objetivo principal tecer uma rede de comunicação entre as diversas lutas localizadas.
  • De modo a circular as experiências, para serem reciprocamente conhecidas numa retro-alimentação de auto-fortalecimento.
  • Não se trata de tão somente produzir matérias, e sim tornar as matérias instrumento para divulgar conteúdo capaz de impulsionar os movimentos.
  • Em suma: colocar a comunicação a serviço das lutas concretas.

acesse a série completa aqui neste link

Leave a Comment