Posted on: 4 de maio de 2022 Posted by: Tinkamo Comments: 0

Nós, povo Ka’apor, realizamos nosso 3o Encontro de Governança e Autodefesa no município de Presidente Médici-MA, nos dias 28, 29, 30/04 e 01/05. Encontros para rever e organizar nosso Plano de Autodesa e proteção coletiva; organização e fortalecimento de nossa luta para preservar nosso território e a natureza.

Todos participam e decidem o que fazemos.

Muitos têm sido os ataques aos nossos parentes. Nos últimos dias vimos novos ataques aos Yanomami, Xipaya e outros povos, além da agressão aos quilombolas, camponeses e trabalhadores e trabalhadoras da cidade. O território Ka’apor Alto Turiaçu sofre com a invasão dos madeireiros, garimpeiros e cobiça de mineradoras já instaladas na sede das cidades próximo ao território. Já existe extração de ouro em varias regiões no entorno do território. A mineração contamina tudo: o solo, a floresta, os rios, mata os animais e as pessoas. Já sabemos que elas estão tentando aliciar lideranças para ser a favor da exploração mineral.


Após o nosso 2o Encontro de Governança e Autodefesa, em janeiro desse ano, uma liderança e um apoiador foram cercados por madeireiros e seus capangas, mas conseguiram se proteger. Muitos são os ataques, maior continuara sendo nossa resistência. Os ataques contam com a conivência do governo estadual, que nada faz contra, etem a participação direta do governo Bolsonaro e dos prefeitos que o apoiam,
muitos envolvidos em corrupção, como foi o caso do prefeito de Centro Novo do Maranhão, no escândalo com o ex- ministro de educação e do deputado federal Josimar do Maranhãozinho, que renunciou ao mandato depois de outras denuncias.


O projeto de lei que autoriza a mineração nos territórios indígenas é mais um ataque, só beneficiando as mineradoras. Não bastasse isso, nossas lideranças e seus apoiadores estão sendo criminalizados, com acusações falsas. Querem nos impedir de defender nossa própria casa que é nosso território.


As áreas de proteção que temos criado são uma forma de defender nosso território. Elas são novas comunidades criadas nas rotas de invasão de madeireiros, caçadores e garimpeiros. São formas pacíficas de barrar a invasão. Com isso, a floresta se recupera e traz os animais de volta.


Nós cuidamos da floresta e ela cuida de nós. Esse é no nosso ciclo da vida e é dessa forma que construímos nosso acordo de convivência e o bem viver.


Infelizmente, algumas lideranças de alguns povos indígenas estão permitindo a entrada de mineradoras e do agronegócio em nossos territórios. Acham que vão ganhar dinheiro. Isso é uma ilusão porque mineração e agronegócio destroem a natureza, matas, rios e seus povos. No final, sobra miséria e morte.


O 3o encontro contou com a participação do povo Shuar, do Equador, dos Nasa, da Colômbia, do povo Timbira aqui do Maranhão e de outras lideranças mais. Também recebemos o apoio da Comunidade La Salle, SMDDH, CSP Conlutas-PA, Andes-SN, Adunb, Aduff, Sindpetro Amazônia e Sinduepa. Outros mais colaboraram em outros momentos. São todos nossos aliados.


Ao final do encontro, que contou com representantes de todas as nossas comunidades orientadas pelos Tuxa ta Pame, reforçamos a necessidade de estarmos mais juntos ainda contra a mineração, o agronegócio e governos autoritarios. Convidamos nossos parentes de outros países e do Brasil a estarmos juntos nessa luta. Juntos e juntas somos mais fortes ainda. A unidade é a nossa força.


-NÃO À MINERAÇÃO. SE MINERAR VAI TER GUERRA.
-FORA MINERADORAS DE CENTRO NOVO DO MARANHÃO.-DEFESA DA NATUREZA E DE SEUS POVOS.
-EM DEFESA DOS NOSSOS TERRITÓRIOS E DA AUTODETERMINAÇÃO DOS POVOS
INDÍGENAS.
-APOIO À MANUTENÇÃO DAS ÁREAS DE PROTEÇÃO.
-NÃO À CRIMINALIZAÇÃO DOS POVOS INDÍGENAS, DE SUAS LIDERANÇAS E
APOIADORES.
-FORA BOLSONARO E SEUS ALIADOS.


Presidente Médici-MA,01/05/2022


PYRÃ TÃ HA JOHU KATU!


TUXA TA PAME

Leave a Comment